O SENTIDO DA ESPIRAL NO LABIRINTO DE PAISAGENS CAMBIANTES INDAGA A ALMA CRIATIVA NO ESPAÇO COLETIVO

NÚCLEO DE ESTUDOS DA PAISAGEM - FAU USP
aprender com a cidade, aprender na cidade
retornar

UNIVERSIDADE LIVRE E COLABORATIVA:

disciplinas:
espiral da sensibilidade e do conhecimento
paisagem                ensino                pesquisa                arte
        espiral da sensibilidade e do conhecimento 

por um conhecimento livre e sensível, por um mundo livre e em paz


Esta seção apresenta as disciplinas de graduação e pós-graduação e oficinas abertas à população que estão sendo oferecidas em torno das questões de Perus, organizadas colaborativamente com moradores e lideranças locais.

A transformação e significação da paisagem é trabalhada a partir da abordagem de problemáticas locais em evidência, com ênfase na compreensão da sua interação com outras dinâmicas na estrutura urbana, das implicações sociais e ambientais, do universo de valores e práticas mobilizados e dos instrumentos disponíveis para sua gestão.

A estratégia será indesenvolvida a partir do tripé cultura, ambiente e geração de renda e tendo como problemática as questões de conectividade ambiental, habitação, saúde, educação, mobilidade, trabalho. As disciplinas de graduação e pós integradas promovem intercâmbio e interdisciplinaridade, abertas à população local, possibilitando um diálogo entre saberes diversos. As temáticas a organizar as disciplinas passam por abordagens centradas nas ARTES, APRENDIZAGEM E EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E MEMÓRIA, POTENCIALIDADES DE PAISAGEM E DESENVOLVIMENTO LOCAL.

Os estudos sobre POTENCIALIDADES DE PAISAGEM E DESENVOLVIMENTO LOCAL ocupam o centro das propostas de trabalho a partir de 2013 e considerarão as efetivas condições de realização das propostas, aproximando os trabalhos de condições reais de realização da cidade, sendo os trabalhos sempre sujeitos a redirecionamento a partir de um diálogo no coletivo de aprendizagem em função da imersão em contextos em curso e acontecimentos.

As dinâmicas se desenvolverão através de oficinas, seminários sistemáticos abertos à participação da população, elaboração em atelier, grupos de estudo, através dos quais serão transmitidos os conceitos básicos e elaborado o material empírico.

O conjunto de intervenções programadas para a região fazem supor uma mudança nas dinâmicas urbanas nos próximos anos. Se pensarmos numa região mais ampla, trata-se de área ambientalmente frágil, com referências históricas importantes e caracterizada por processos de urbanização periférica em diferentes estágios de estruturação
  • revisão que ocorrerá do plano diretor,
  • mudanças e reorganizações em 2013 de uma nova gestão municipal e local,
  • pelo conjunto de intervenções urbanísticas em curso ou previstas na região:
  • o trecho norte do Rodoanel iniciando-se em Perus, e Ferroanel
  • o centro de investimentos previstos para Pirituba,
  • a conexão do Rodoanel com a Marginal e extensão do metrô até Brasilândia,
  • parques lineares no entorno da Cantareira projetados ou em execução
  • proposta do parque Linear Perus, desenvolvido pela FUPAM em contradição com a população
  • recente aprovação (2012) do primeiro plano de bairro em São Paulo, para Perus (sob a responsabilidade do professor Cândido Malta Campos), em cotnradição com algumas demandas defendidas a mais de uma década por grupos sociais para o desenvolvimento local
  • patrimônio ambiental representado pela Serra da Cantareira e Parque Anhanguera, proximidade com Jaraguá e rio Juqueri
  • problemática ambiental de grandes pedreiras no entorno e Aterro Bandeirante
  • patrimônio histórico material e imaterial da primeira fábrica de cimento do Brasil (Fábrica de Cimento de Perus) e da ferrovia Perus Pirapora em operação e sua interligação com áreas de conservação ambiental, parques e equipamentos urbanos
  • importantes movimentos sociais e culturais na região com lutas transgeracionais e com propostas consistentes para a região


Essa proposição é inicial e está sujeita a atualizações, tanto em decorrência das dinâmicas das turmas, quanto dos acontecimentos locais no decorrer dos trabalhos, ou ainda em função do número de inscritos eseu perfil. VEJA ABAIXO ALGUNS CONCEITOS REFERENTES AOS ESTUDOS DE PAISAGEM

CONCEITOS:
Paisagem, Paisagens como experiências partilhadas, Patrimônio Ambiental, cultura e memória. Interdependência de escalas do espaço: globalização, regionalização e lugar. Planejamento e Gestão. Participação, processos colaborativos, estruturas institucionais e políticas. Desenvolvimento Local. Fragmentação e conectividade.
oficina de conceitos e métodos, primeira aproximação estratégica: prioridades e potencialidades.

INSTRUMENTOS E SISTEMATIZAÇÕES EXISTENTES:
Observação e pesquisa participante. Áreas de tensão, cotidiano da habitação, do trabalho-consumo, de lazer e sistemas de conservação ambiental. Modos de apropriação da paisagem. Legislação, planos e projetos. Direitos. Estruturas administrativas.
diagnóstico de potencialidades de paisagem nas escalas locais e regionais: análise do Plano Diretor, Plano regional, Plano de Bairro entre outros

POTENCIALIDADES E ESTRATÉGIAS
Potencialidades de paisagem e qualidade ambiental. Sistemas institucionais de planejamento, monitoramento e gestão: perspectivas e problemáticas para o desenvolvimento regional e local. Base de dados para monitoramento da dinâmica ambiental e sistemas de informação. Participação social e políticas ambientais e de paisagem. Participação direta e representação.
os trabalhos terão continuidade sob novas disciplinas ou estratégias de participação acompanhando os acontecimentos em curso e visando contribuir para elaboração de uma hierarquização de prioridades de ação e definição de estratégias colaborativas na região.








aprender com a cidade, aprender na cidade

NÚCLEO DE ESTUDOS DA PAISAGEM - FAU USP